cartaz-dia-do-darma.jpg

O mingau é oferecido gratuitamente.

 

Dia do Darma

13 de janeiro às 12h

Oferenda do Mingau do Despertar aos visitantes

 

O MINGAU DO DESPERTAR
 

Quando o príncipe Sidarta abandona o luxo e as comodidades do Palácio, não tendo encontrado as respostas na vida luxuosa, no poder, na condição de príncipe, ele abandona seus privilégios, indo morar nas matas e nas montanhas da Índia Antiga.

 

Ele adota o ascetismo: de um extremo ao outro, ele renuncia a tudo. Solitário e silencioso, suporta o frio e a penúria, sanando a fome com apenas um grão de arroz por dia...

 

Sidarta percebe que a ignorância e as aflições aumentam e que esta escolha estava longe de trazer iluminação, mas trazia fraqueza à mente e ao corpo, gerando mais impedimentos.

 

Um dia, enquanto se lavava em um rio, apesar de estar desnutrido e descuidado, devido ao ascetismo, Sujata, uma camponesa, viu em seu semblante traços dignos de um ser celestial, indo reverenciá-lo, Sujata oferece, como oferenda, uma tigela de mingau de arroz. Sentindo as forças mentais e físicas revigoradas, Sidarta despertou para o Caminho do Meio: a ignorância leva aos extremos e os extremos criam ou agravam as aflições. A tigela com  o "Mingau do Despertar" fez Sidarta abandonar os extremos, criando as causas e condições adequadas para atingir a iluminação.